Giles Askham - Aquaplayne

Giles Askham

Aquaplayne

Abstract:
“A estrutura do jogo absorve o jogador em si mesmo e assim o liberta do peso de tomar a iniciativa, que constitui o verdadeiro esforço da existência.” Hans-Georg Gadamer, Verdade e Método O “esforço da existência” é uma obra de responsabilidade. Somos testados, avaliados e determinados por um mundo que preferiria saber tudo e não deixar nada ao acaso. Na obra de arte, porém, encontramos alívio do peso do conhecimento, a necessidade de saber perde a tração no fluxo entre signo e substância. Somos absorvidos no jogo como o artista é transportado pelo processo criativo, em um momento todo seu — o acaso da descoberta quando uma coisa leva a outra. A arte surge como a condição imprevisível, entre ordem e caos ela define permutas e as ativa. O modo artístico é o “plano” criativo, uma fluidez da experiência cujo único peso é o da mera possibilidade. A composição artística é uma forma calibrada daquela experiência, que se passa no espectador através da percepção das formas. Há um momento de imobilidade para contemplar a obra de arte, precisamente porque ela tem o poder de mover; ser movido é ser tocado pela obra. Há movimentos artísticos e há o movimento da arte. Para os historiadores da arte, a dinâmica de uma obra pode ser observada nas convenções de efeito. Há um jogo de luz e cor, a interrelação das formas, o gesto, o progresso estilístico, a escola e, em certo ponto, um Movimento. Por outro lado, o movimento da arte como evento criativo substitui reconhecimento por ação. No caso dos expressionistas abstratos como Jackson Pollock, a arte torna-se literalmente um movimento. Criar era mover-se diretamente sobre a experiência, entrar no jogo “entrando na pintura”. Pollock estendia sua tela no chão para se sentir mais próximo da pintura, caminhando ou mesmo dançando ao redor dela em uma performance pictórica. O despejar, gotejar, espalhar e borrifar das formas sobre a superfície capta as forças imediatas da intenção. “Quando estou pintando não tenho consciência do que estou fazendo.” O gesto inconsciente enfatizava o ato físico de criação [em alemão “spiel”, “jogar”, originalmente significava “dançar”]. A experiência impensada da “pintura automática” é o jogo da composição, um sinal não da representação, mas do evento. Como Paul Klee comentou certa vez, “não mostrar o visível, mas tornar visível”. Aquaplayne apresenta um novo campo de expressão ao ampliar o âmbito da experiência imediata. O plano horizontal supera o reconhecimento e “monta” uma superfície interativa, fazendo da arte um jogo ao oferecer ao espectador o acesso instantâneo ao fluxo criativo. No movimento da observação à participação, fazemos uma interface com uma tela inteligente através da interpretação automática da ação em efeito. O “corpo em movimento” joga através de um campo de sensação, fazendo os rumores da possibilidade parecerem uma obra de arte em constante mutação. Ao contrário do pintor de ação, cuja técnica é descarregar a energia criativa no gesto pictórico, o ativador recupera o que já foi depositado como dados e o traz à superfície, aquaplanando em uma corrente de informação. O virtual é restabelecido à atualidade da expressão, trazido de volta à vida no fluxo entre causa e efeito, entre código e composição. A experiência calibrada de Aquaplayne é a arte da permuta, a iniciativa programada jogada e representada como obra de arte em formação.

Biography:
Giles Askham fundou a peterborough digital arts em 2003 e foi curador de seu premiado programa durante dois anos, trabalhando em exposições como Freefall, Lovely Weather, Re:Thinking:Time e Sequences. Lovely Weather foi uma parceria internacional com o Macdonald Stewart Art Centre do Canadá, enquanto Re:Thinking:Time forneceu a primeira visão geral do trabalho experimental criado durante o Labculture, o pioneiro programa de residência artística do PVA. Ele saiu em 2005 para trabalhar de forma independente e estudar para seu mestrado na Nottingham Trent University. Em 2006 foi curador principal e coordenador de Game/Play, uma colaboração entre HTTP (Londres) e Q-Arts (Derby). Game/Play foi uma exposição em rede que explorou a interação lúdica e os jogos voltados para objetivos através da prática de arte mídia. Ele escreveu extensamente para publicações, incluindo um ensaio recente para Playware, uma exposição realizada no Laboral Centro de Arte y Creación Industrial, Asturias, Espanha. Recebeu diversos prêmios, incluindo uma bolsa para seu mestrado e uma bolsa internacional para o programa de residência artística Interactive Screen 07 no Banff New Media Centre, Canadá. Sua prática artística e curatorial explora amplamente o território mapeado pela interação humano-computador (HCI). Ele se interessa pelas possibilidades que a tecnologia oferece para nos comunicar, interagir e jogar e seu potencial para ajudar em um processo criativo colaborativo. Ele desenvolveu obras de arte que visam usar as interações lúdicas das pessoas. Aquaplayne, por exemplo, oferece um espaço para a transação sociodramática; uma superfície como interface. A relação do usuário é a de um participante significativo e ativo cujo envolvimento com o trabalho é físico e cinestésico.