workshop-16

FILE SÃO PAULO 2015 – WORKSHOP

FILE WORKSHOP 2015

As oficinas do FILE São Paulo 2015 acontecem este ano de 16 a 20 de junho no Mezanino do Centro Cultural Fiesp – Ruth Cardoso. Todas as atividades são gratuitas e é necessário se inscrever previamente para participar.

Desde 2009, as oficinas oferecidas pelo FILE tem contado com grupos de educadores da ciência da computação e artistas que buscam uma imersão experimental na essência da linguagem binária. Essa imersão tem como propósito a transferência de conhecimento e a pesquisa sobre o uso da computação para fins artísticos. O objetivo é difundir a tecnologia como linguagem criativa e processo de desenvolvimento artístico para o maior número de pessoas possível, incluindo interessados, professores de escolas públicas e grupos de possíveis multiplicadores desta linguagem.

.

LOCAL: Mezanino do Centro Cultural Fiesp – Ruth Cardoso

Av. Paulista, 1313. Em frente ao metrô Trianon-Masp.

VAGAS ESGOTADAS!
Sugerimos que,  caso tenha interesse em participar, inscreva-se e compareça ao local 5 minutos antes. Se houver alguma desistência, sua participação será permitida.

.

FICHA DE INSCRIÇÃO

.

Aieda Freitas – Construindo narrativas interativas com Processing e Arduino – Brasil

16 a 18 de junho, das 9h às 13h

O objetivo da oficina é ensinar técnicas para a construção de uma instalação multimídia interativa a partir da ideia de uma narrativa, utilizando as ferramentas livres Processing e Arduino. São abordados as diversas categorias estéticas de narrativa e os processos de imersão no cinema e no game.

Público alvo

Jovens (a partir de 15 anos) e adultos que tenham interesse por programação e arte.

Pré-requisitos

A organização disponibilizará alguns KITs de Arduino para serem utilizados em grupo durante o workshop. Para um melhor aproveitamento, sugerimos que os participantes tragam seus próprios KITs.

- Trazer celular com capacidade de captação de imagens.

- Acesso à internet ou Wi-Fi e perfil no facebook.

- Trazer seus próprios computadores/notebooks com Processing e Arduino.

- Caso tenham interesse em comprar seus KITS de Arduino, podem encontrar:

http://www.labdegaragem.org/loja/29-arduino.html

Conteúdo programático

- Explanação sobre os processos estéticos das narrativas interativas digitais, no cinema, no game, etc.

- Discussão sobre como a narrativa se comporta numa obra multimídia interativa.

- Exercício em grupo de criação de uma instalação interativa.

- Introdução ao Processing.

- Introdução ao hardware livre Arduino.

- Exercícios de programação com Processing e Arduino.

- Construção coletiva uma instalação interativa.

Bio

Aieda Freitas é uma artista multimídia em meios digitais e eletrônicos. Graduada em Comunicação Social com habilitação em Publicidade e Propaganda, e pós-graduada em Marketing pela Universidade Municipal de São Caetano do Sul. Participou de exposições como Festival de Arte Digital Xumucuis, Festival Continuun, Festival Contato, ArtFutura, Fase Encuentro de Arte y Tecnologia (Argentina), Festival de Vídeo Arte (Equador), entre outros.

.

Andrei Thomaz – Máquinas do Tempo – Brasil

16 e 20 de junho das 13h às 17h

Apresentação dos softwares desenvolvidos pelo artista no projeto Máquinas do Tempo, contemplado pela Bolsa Funarte de Estímulo à Produção em Artes Visuais 2014. Esses softwares criam imagens a partir da sobreposição de imagens e pixels capturados em diferentes momentos, de modo a termos camadas de tempo em uma mesma imagem. Todos eles foram desenvolvidos em Open Frameworks e o código está disponibilizado no Git Hub.

http://www.maquinasdotempo.art.br/

Pré-requisitos

Trazer computador.

Conteúdo programático

Aula 1:

Apresentação do projeto Máquinas do Tempo e dos softwares desenvolvidos.

Apresentação de referências artísticas.

Discussão de possíveis processos a serem registrados pelos softwares desenvolvidos dentro do projeto Máquinas do Tempo (variação da luz do dia, mudanças de estado físico etc.), utilizando webcam.

Aula 2:

Apresentação dos resultados obtidos pelos alunos.

Avaliação dos recursos dos softwares.

Utilizando os softwares com câmeras fotográficas controladas por software.

Bio

Andrei Thomaz é artista visual e professor no Istituto Europeo di Design em São Paulo, mestre em Artes Visuais pela ECA/USP e formado em Artes Plásticas pela UFRGS. Sua produção artística abrange diversas mídias, digitais e analógicas, envolvendo também várias colaborações com outros artistas, entre as quais se encontram performances sonoras e instalações interativas. É sócio do estúdio Mandelbrot, onde atua como programador e coordenador no desenvolvimento de projetos interativos. Vive e trabalha em São Paulo, SP.

.

Bernardo França – De ponta a ponta: todo processo de uma ilustração – Brasil

20 de junho, das 9h às 13h

O curso objetiva mostrar de forma integral o processo do profissional ao ilustrar um trabalho.

Pré-requisitos

- Domínio básico de Photoshop.

- Levar Laptop com Photoshop (e aqueles que tiverem tablet wacom).

- Caderno de desenho e/ou folhas soltas para desenhar.

Conteúdo programático

1 – De ponta a ponta:

Exibir de forma intergral o processo do profissional ao ilustrar um trabalho. Desde o primeiro contato com o cliente, a passagem do briefing, os primeiros sketches, aprovação e execução final em Photoshop.

2 – Estudo de caso:

Falhas e méritos em exemplos de outros artistas serão discutidos. O objetivo é criar o hábito e velocidade na qualidade crítica do aluno.

3 – Parte prática:

A partir de uma seleção randômica de tema / formato / mídia / abordagem, os alunos terão que produzir duas opções de sketch para o exercício proposto. Após rápida discussão, será feita uma pequena demonstração no Photoshop com uso do data-show.

Bibliografia

Maurice Noble & Todd Polson. Maurice Noble And The Zen Art Of Animation.

Paul Rand. Conversations With Students.

Paul Rand. Thoughts On Design.

Robert Henri. The Art Spirit.

Bio

Arquiteto formado em 2008. Trabalha como diretor de arte, produz cenários para animação, é ilustrador, artista gráfico e scriber. Contribui para diversas mídias editoriais, como jornal, revista e livro. Já produziu capas para a Folha de São Paulo e a Revista da Livraria Cultura. Em 2013 lançou o livro “Mulher-de-Sexta”, projeto pessoal em que se dispôs a publicar uma pinup a cada sexta-feira ao longo de 100 semanas consecutivas.

.

Fábio Yamaji – Animação Stop Motion com Origami – Brasil

16 e 17 de junho, das 9h às 13h

A animação stop motion, que consiste em criar ilusão de movimento com objetos movidos quadro a quadro, surgiu no final do século XIX pelas mãos de cineastas inventivos como Georges Méliès e J. Stuart Blackton. Técnica artesanal e minuciosa, ela maravilhou espectadores no mundo todo como efeito especial em filmes como “King Kong” (1933) e “O Império Contra Ataca” (1980), usando bonecos. Nos curtas-metragens foram introduzidos novos materiais e maneiras de animar, ganhando notoriedade com o grande público em longas como “O Estranho Mundo de Jack” (1993) e “Boxtrolls” (2014). Inúmeros comerciais, videoclipes, vinhetas e séries contribuíram para o fortalecimento e originalidade do stop motion. O objetivo desta oficina é unir a técnica do stop motion com uma arte ainda mais antiga: o Origami (dobradura de papel), surgida no Japão há mais de 300 anos.

Público alvo

Pessoas interessadas em animação, artes visuais, origamis, modelagem, trabalhos manuais, fotografia e cinema, preferencialmente acima de 15 anos.

Conteúdo programático

O objetivo é apresentar a técnica Origanimation, através de:

- Análise de trabalhos do proponente e de outros animadores.

- Estudo de fundamentos básicos de animação.

- Prática de origamis – formas ideais.

- Montagem do set e traquitanas de stop motion.

- Animação de vinheta por cada aluno.

- Orientação sobre equipamentos e configurações (câmera e software).

Bio

Formado designer pela Faculdade de Comunicação e Artes da Universidade Mackenzie, Fábio Yamaji atua como animador, fotógrafo, diretor de filmes, montador e ilustrador. Animou trabalhos para Cinema, TV, internet e festivais em produtoras como Trattoria di Frame, O2 Filmes, Vetor Zero e Paranoïd BR. Professor de Animação em instituições como IED Brasil, Mackenzie, Escola São Paulo e Anhembi-Morumbi (pós-graduação), também é cofundador da Associação Brasileira de Cinema de Animação (ABCA). Especialista em Stop Motion.

.

Gabriel Camelo – Slit Scan GIF: distorcendo GIFs no tempo – Brasil

19 de junho, das 9h às 13h

O objetivo da oficina é apresentar brevemente a técnica slit scan de distorção de vídeos, assim como o formato GIF de imagens animadas. Em seguida, os participantes devem replicar a técnica em seus próprios GIFs através de programas desenvolvidos na linguagem Processing.

Pré-requisitos

- Estritamente necessário que os participantes tragam seus notebooks (windows, mac, linux) com algum software de manipulação de imagem em movimento (Photoshop, Gimp, ou qualquer um que lide com vídeos e GIFs animados).

Adicionalmente, os participantes poderão trazer equipamento para registro de vídeos no formato digital (câmeras e celulares), assim como seus próprios GIFs animados.

Bio

Gabriel Camelo é bacharel em design e especialista em animação. Trabalha com vídeo, motion, interface e games, e com frequência utiliza linguagens e lógica de programação a fim de expandir as possibilidades dos projetos em que participa.

.

Marcos Vieira Lobo – Composição de trilhas sonoras para games e aplicativos – Brasil

17 e 18 de junho das 13h às 17h

No workshop de composição de trilhas sonoras para games e aplicativos são apresentados os principais recursos e técnicas de programação de música eletrônica em sequenciadores físicose virtuais, processamento de áudio, gravação, mixagem e masterização em softwares profissionais e livres.

Pré-requisitos

- Trazer seus próprios computadores/notebooks (Windows, Mac, ou Linux).

Bio

Marcos Vieira Lobo é músico, compositor, produtor musical e professor de produção de áudio em projetos multimídia no IED – Istituto Europeo di Design de São Paulo.

.

Marlon Tenório e Marcelo Castro – Animação Paper Cut – Brasil

20 de junho, das 09 às 17h

Os 12 princípios da animação, criados nos anos 1930 pelos primeiros animadores dos estúdios Disney e compilados nos anos 1980 por Ollie Johnston e Frank Thomas no livro “The Illusion of Life”, nortearam a produção de animações clássicas (Branca de Neve, Pinóquio, Tom e Jerry) e ainda são aplicados nas produções atuais (Toy Story, Bob Sponja, Pocoyo). O objetivo da oficina é apresentar os 12 Princípios Fundamentais da Animação, discutir sua aplicação nos novos meios de produção e praticar alguns desses princípios, utilizando a técnica de animação Paper Cut (boneco de papel articulado que, fotografado quadro a quadro, dá a ilusão de movimento).

Público alvo

Pessoas interessadas em animação, artes visuais, modelagem, cinema, preferencialmente a partir de 15 anos.

Conteúdo programático

- Apresentação dos 12 Princípios da Animação utilizando o curta-metragem e vídeos didáticos.

- Análise sobre a aplicação dos conceitos em novos processos de animação.

- Montagem de set para filmagem.

- Análise e montagem da estrutura do boneco de papel (Puppet).

- Exercitar os conceitos de movimento através da técnica de Paper Cut.

- Orientação no processo de animação e filmagem dos exercícios.

- Criação do Flipbook online.

Para o exercício desses princípios, cada participante utilizará um boneco de papel articulado, preso a uma base (set) que possibilite sua movimentação e captação através de um aparelho celular. O resultado será um flipbook publicado no perfil de Facebook da oficina e de cada participante.

Pré-requisitos

- Folhas impressas com o boneco de papel, contendo braços, pernas e expressões (com recorte digital ou para o participante recortar).

- Prancha de isopor: para fixação dos bonecos de papel.

- Alfinetes para fixação e articulação do boneco de papel.

- Folha de papel cartão para montagem do set de filmagem.

- Trazer celular com capacidade de captação de imagens e acesso à internet.

- Perfil no facebook.

Bio

Marlon Tenório

Formado em programação visual pela UNEB (Universidade do Estado da Bahia), pós-graduado em Computação Gráfica 3D pelo SENAC em São Paulo. Ilustrador, quadrinista, cartunista e designer gráfico. Em animação, dirigiu curtas-metragens como “Rockstar e a origem do metal” e “Rockstar e o mistério da água”.

Marcelo Castro

Cursou Artes Visuais na UNESP (Universidade do Estado de São Paulo). Ilustrador, animador, diretor de arte e desenvolvedor de games. Iniciou sua carreira em animação com o curta-metragem “Crássicos da Periferia” (vencedor do prêmio de “Melhor Filme Brasileiro” no Anima Mundi 2001). Nos últimos anos trabalhou nas séries “Meu AmigãoZão”, como cenarista e coordenador de equipe de cenários, e “Zica e os Camaleões”, onde desenvolveu o trabalho de pré-produção de personagens e cenários.

.

Moisez Vasconcellos – Programação criativa através do software ISADORA – Brasil

18 e 19 de junho, das 9h às 13h

ISADORA é um software de programação livre onde o usuário cria sua própria plataforma de trabalho. Esse software permite manipular diferentes plataformas interativas, tais como: luz, som, vídeo, câmeras, joystick, MID, nanocontrol, OSC, nanosservo, comandos por voz, comandos por vídeos, entre outras.

Pré-requisitos

- Conhecimento básico de informática.

- Trazer seu próprio computador que possua os seguintes requisitos:

Macintosh

Mac OS X 10.6 ou superior

Intel Processador, i7 recomendado

1.0 GHz Processador, 2.0 Ghz recomendado

2.0 GB RAM minimo, 4.0 GB recomendado

Quicktime 7.6.6 ou superior

Windows

Windows 7 / Vista / XP

Intel Processador, i7 recomendado

1.0 GHz Processador, 2.0 Ghz recomendado

2.0 GB RAM minimo, 4.0 GB recomendado

Quicktime 7.6.6 ou superior

- Adaptador para projetor/televisor VGA ou HDMI.

- Pelo próprio caráter introdutório, a oficina não requer nenhum conhecimento prévio. Qualquer pessoa interessada em conhecer lógica de programação, programação criativa e/ou a linguagem do ISADORA é bem vinda. Entretanto, é prudente priorizar candidatos que já exerçam um trabalho que se manifeste de alguma forma no meio digital. Iluminadores, artistas plásticos, atores, bailarinos e/ou coreógrafos, músicos, diretores de teatro, entre outros, que estejam habituados a fazer suas obras transitarem na forma de bits. Isso para que possam, com os novos conhecimentos adquiridos, projetar novas possibilidades para seus trabalhos. Espera-se que todos os participantes passem a ter um olhar diferenciado para as tecnologias que os cercam e que assim sejam capazes de avaliar como esse conhecimento pode impactar em seus trabalhos.

Conteúdo programático

- O que é e o que faz o software ISADORA. Uma breve apresentação da ferramenta, assim como exemplos de sua funcionalidade.

- “Faça do seu jeito”. Mostrar a possibilidade de criar sua própria plataforma de trabalho, não estando preso a nenhum tipo de programação ou configuração pré-estabelecida. Esse tipo de plataforma de trabalho busca a utilização da computação e da tecnologia digital de forma mais autoral, expressiva e criativa.

- Através de exercícios simples, mostrar como funciona o ISADORA e sua linguagem de programação.

- ISADORA na prática. Experimentar as primeiras funções de play em vídeo, som, luz, criando cenas, trabalhando com “atores”, mapeando projetores, animação e interação.

- Adicionar outras ferramentas e softwares. Como utilizar diferentes acessórios para produzir efeitos e interatividade e como abordá-los dentro do ambiente de trabalho do ISADORA.

Bio

Iluminador que tem no currículo diversos trabalhos nas áreas de teatro, dança, ópera, shows, musicais e exposições. Com 15 anos de experiência, acompanhou trabalhos de importantes iluminadores brasileiros como Caetano Vilela, Cibele Forjas, Guilherme Bomfante, Dalton Camargos, James Fensterseifer e Jathyes Miranda. Foi coordenador técnico de diferentes festivais pelo país e há 4 anos é coordenador técnico do Festival Internacional de Teatro Cena Contemporânea em Brasília.

.

Paul Robertson – Pixel Art e animação em GIF – Austrália

16 e 17 de junho, das 18h30 às 22h

Esta oficina de animação e pixel art aborda as obras e o processo criativo de Paul Robertson: o que o move, suas criações e as ideias que o inspiram. Aborda suas influências e o detalhamento dos passos de uma obra, desde a ideia à execução final.

Público alvo

Profissionais e pessoas interessadas em animação, artes visuais, pixel art. Faixa etária: 16 anos.

Conteúdo programático

- O artista mostrará suas obras e ouvirá dos participantes sobre o que os interessa dentro da pixel art. Discorrerá sobre processo criativo, etapas  de desenvolvimento da animação/gif, inspirações e o que o motiva a criar. Passará então a mostrar algumas de suas referências criativas, como vídeo games, simetria, geometria, deuses, mitologia, filmes de ação, natureza, ciência, matemática, mecânica quântica, universo. Por fim, falará onde o seu trabalho é divulgado (mídias) e como ele se relaciona com seu público.

- O artista mostrará o processo de desenvolver uma obra em si, mostrando que técnicas e softwares utiliza. Pedirá aos participantes que levem ideias para pixel art para o último dia de workshop: referências, paleta de cores, materiais que possam levar à inspiração criativa.

- Etapa do workshop que será mais interativa, com os participantes mostrando suas ideias e o palestrante dando feedback em cima das ideias trazidas. Se houver tempo, será escolhida uma ideia para começar a ser desenvolvida em pixel art.

Bio

Paul Robertson é um artista de Melbourne que se especializou em pixel art e animação. Ele se formou em Mídia Arte na RMIT em 2002, fez diversos curtas, trabalhou em jogos como Scott Pilgrim Vs. The World, Adventure Time, Scribblenauts, Wizorb, Mercenary Kings e fez animações para Gravity Falls da Disney e Adult Swim. Atualmente ele continua fazendo trabalhos para o Adult Swim e recentemente cocriou uma versão pixelada da abertura dos Simpsons que foi usada em um episódio do programa.

Ele se inspira em video games, animação japonesa, filmes de ação, filmes de terror, deuses, demônios, matemática, física, geometria, padrões naturais e no universo em geral.

.

Vanessa Remonti – Como produzir/planejar um curta-metragem de animação – Brasil

16 a 19 de junho, das 13h às 17h

A produção de animação é sempre muito complexa. Exige tempo e organização. A animação se reinventa o tempo todo e o objetivo é adequar todas essas ideias criativas dentro do processo. Entender e abraçar o projeto criativamente, desde a concepção da ideia, a análise detalhada do roteiro, até a escolha da técnica e da linguagem adequadas para elaboração do desenho de produção (cronograma, orçamento e distribuição). O objetivo desta oficina é aprender o primeiro passo depois da ideia: o desenho de produção. É planejar a produção de um curta-metragem.

Conteúdo programático

O objetivo é conhecer os processos de produção, através de:

- Análise da ideia.

- Desenho de Produção: criação, cronograma, orçamento e distribuição.

Bio

Vanessa Remonti é produtora de animação e conteúdo. Graduada em História pela UNISINOS e especializada em Produção Cinematográfica e História, Teoria e Crítica Cinematográficas e Produção, Direção e Animação no Sindicato de la Industria Cinematografica Argentina. Desde 2013 coordena o Dia Internacional da Animação em São Paulo. Atualmente é diretora de produção e conteúdo da série SOS Fada Manu na Boutique Filmes e dirige o curta de animação Recic-LAR.

.

Victor-Hugo Borges – Desenvolvimento para série de animação – Brasil

19 de junho, das 13h às 17h

Este workshop aborda a criação e o desenvolvimento de séries e curtas de animação usando o case da série “Historietas Assombradas”, exibida pelo Cartoon Network e TV Cultura e com distribuição internacional prevista para 2015. Desde os primeiros esboços de personagens e cenários, passando por roteiro, direção de arte, trilha sonora e direção, o criador da série mostrará o processo criativo por trás do desenvolvimento do universo de uma série de animação.

Público alvo

Profissionais ou pessoas interessadas em se profissionalizar na indústria de animação em qualquer área: roteiro, criação, arte, animação, direção, produção, música etc.

Bio

Com formação em artes plásticas, Victor-Hugo Borges acidentalmente se envolveu com animação há 12 anos e desde então ganhou mais de 80 prêmios nacionais e internacionais. O diretor e animador possui no currículo vários curtas de animação que foram exibidos mundo afora. Victor-Hugo também é criador da série “Historietas Assombradas (para crianças Mal Criadas)”, programa infantil mais assistido durante sua exibição e vencedor do prêmio APCA de melhor programa infantil do mesmo ano.