FILE SÃO LUÍS 2017

Será aberta a visitação pública nesta quinta-feira (06), no Centro Cultural Vale Maranhão (Centro Histórico), a exposição “File São Luís 2017”, composta por 35 obras de realidade virtual assinadas por artistas brasileiros e estrangeiros. A abertura oficial foi nesta terça-feira (04), num evento que contou com as presenças do presidente da Vale, Murilo Ferreira, do governador Flávio Dino (PCdoB) e presidente do Instituto de Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), Kátia Bogéa.

A exposição, que inaugura o CCVM após a última reforma do prédio, é um recorte do Festival Internacional de Linguagem Eletrônica e dialoga com a relação contemporânea entre arte e novas tecnologias. A mostra, uma realização da Vale, Fundação Vale e Ministério da Cultura, fica aberta ao público até o dia 4 de junho de 2017, de terça-feira a domingo, das 10h às 19h, no Centro Cultural Vale Maranhão, que funciona no prédio do antigo Liceu Maranhense (Rua Direita, 149, esquina com a Rua do Giz).

Durante a visita, o público vai conferir instalações interativas e não interativas. Parte delas faz uso de óculos 3D, como é o caso da obra The Night Cafe (Café Noturno), do artista Mac Cauley. Ela permite que as pessoas possam contemplar as pinturas de Van Gogh e até mesmo modificá-las. Há, também, instalações que não necessitam da tecnologia 3D. No jogoJourney (Jornada), da That Game Company, os visitantes percorrerão uma jornada em meio a dunas e ruínas antigas com o objetivo de chegar ao topo de uma montanha. A exposição “File São Luís 2017” contempla ainda games e animações.

As obras são assinadas por artistas de países como Brasil, Alemanha, Canadá, México e Portugal. Há 18 anos, o FILE promove exposições com o objetivo de fomentar o debate sobre a inter-relação arte-tecnologia. Destacam-se os eventos anuais em São Paulo, exposições realizadas no Rio de Janeiro, Curitiba e Porto Alegre, além de participações em eventos internacionais.

Na abertura da exposição, Kátia Bogea (Iphan), Murilo Ferreira (Vale) e Flávio Dino

Segundo a curadora Paula Porta, responsável pela concepção do projeto, a exposição ocupará todos os espaços do CCVM por dois meses, prazo que facilitará o acesso de um grande número de pessoas, tantos aqueles que vivem no estado, assim como os turistas. “Estamos trazendo para São Luís uma exposição que desperta o interesse do grande público, desde crianças, até os mais velhos. O objetivo é criar oportunidade para que o público possa se inteirar do que está sendo produzido nesse campo da arte eletrônica”, explica a curadora do CCVM.

Além de abrigar exposições do circuito nacional e internacional, o Centro Cultural Vale Maranhão funcionará também como um espaço versátil e qualificado para que artistas maranhenses possam expor seus trabalhos. Após receber a exposição File, o local abrirá espaço para uma vasta programação cultural. Exposições, oficinas, performances, pocket shows, exibição de filmes, cursos, palestras, além de lançamento de projetos, livros, CDs e outros produtos culturais. A seleção dos projetos será de responsabilidade da curadoria, que poderá lançar editais para a escolha de pretendentes.